0 votos
Olá pessoal,

Sou iniciante na Umbanda enquanto espectadora e apesar de muitas vezes no passado sentir que eu deveria ter algum contato com esta religião, somente agora pude conhece-la, lugar em que realmente me sinto feliz.

Tenho frequentado principalmente as giras de caboclos e boiadeiros, ciganos e pretos velhos.

As giras de pretos velhos são bastante especiais para mim, me desperta muita emotividade, serenidade e força nos sentimentos. Na ultima gira em homenagem aos pretos, senti vibrações bastante notáveis, a ponto de me fazerem perceber aspectos físicos desconhecidos e leves, como tontura, pressão baixa, azia e uma bola na garganta no momento do passe. Depois permaneci assim até entrar no centro para minha consulta com a entidade, onde senti estes sintomas de forma mais forte. Perguntei sobre isto ao Pai Arruda, a entidade que me atendeu, e ele falou que o meu guia preto velho quer me usar como cavalo as vezes e que preciso me abrir. Eu falei que há anos sinto gosto e cheiro de dendê e que talvez seja isso. Ele perguntou se eu queria ir um pouco na gira, mas no momento fiquei um pouco receosa, enfim, achei melhor não ir naquele momento.
Cheguei em casa e fui fazer os banhos para Ogum com 7 ervas e vela branca, que estava fazendo (não sabia que não deveria acender velas a noite).
Fui deitar, assistir um filme e tal e comecei a passar mal na cama, meu coração ficou acelerado, senti falta de ar e uma pressão baixa na cabeça que ia e voltava igual umas ondas... Não sei explicar direito, mas isso durou uns 20 min e eu pensei, já que tenho um guia, vou pedir pra isso parar. E pedi. Aí me veio na cabeça: "apague a vela" fui na mesma hora e apaguei, a sensação passou. Pedi a ele também para não sonhar (na primeira gira de pretos que fui, fiquei sonhando que estava de lenço na cabeça incorporando a noite inteira, a ponto de dentro do sonho eu pedir pra acordar) e capotei.

Depois fui na gira de ciganos e foi bem legal, uma delícia. No passe, tentei ficar neutra e tal, mas sentia uma energia forte e bem boa. A cabocla que passou por mim me limpou e a outra fez orações para mim e pediu para eu bater a cabeça. Não sabia onde era, então voltei para as cadeiras.
Entrei no centro para a consulta e novamente aquela energia que parecia que do quadril pra cima eu tinha força nos membros, mas nas pernas não muito, estavam fracas, sentei no chão com a Cigana e ficamos conversando, amei falar com ela. Ela pediu para eu ir com ela la na frente, peguei na saia dela e tentei dançar, mas ficava um misto de "deixa me levar" e "alerta" então teve uma hora que me deu vontade de chorar, mas abracei a Cigana. Ela foi muito legal e pediu para eu retornar com ela na próxima vez. Saí de lá leve e feliz.
Cheguei em casa, deitei e dormi. Mas as 2h e pouco da manhã estava com o cérebro fritando num misto de sonho com realidade (parecia que metade de mim dormia e a outra não) e novamente as sensações de pressão na cabeça efeito onda, coração acelerado e azia e os pensamentos não paravam. Eu dentro do sonho tentava negociar comigo mesma dizendo ok, pára e durma, mas não saia daquilo e aquela sensação que me fazia saber o que estava acontecendo, só que não, eu sentia que minha cabeça era um balão que subia e descia. No sonho mesmo pensei: ok, então vou acordar e ficar no celular até a hora que isso passar. E fiz isso mesmo. Mesmo acordada a sensação ficava. Só consegui dormir as 5h da manhã.

Detalhei os fatos acima para ter uma coerência. Gostaria de esclarecer a duvida sobre as vibrações que eu sinto depois e que ficaram em mim, o porque elas ficam, para que isso não me cause medo de viver estas experiencias e eu não fique aflita sem saber que vibração está em mim e porque ela ainda fica depois.

Na verdade ando com medo de ver, ouvir algo e sinto que tem algo no meu quarto. Hoje mesmo vou passar um anil com 7 ervas na casa. Essa noite demorei a dormir e vinham pensamentos como raios na minha cabeça e não eram coisas boas, eram imagens estranhas que vinham como flashes. Rezei pai nosso, ave maria e pedi ao meu guia para neutralizar aquilo. E passou...

Obrigada gente!! :-*
perguntou por (200 pontos)

1 Resposta

+1 voto
 
Melhor resposta
Bom dia, Maria.
Que relato interessante!
Olha, acredito no seu caso que possam existir duas possibilidades, vou cita-las mas por experiencia própria e acredito que o melhor a se fazer no caso seria conversar com o dirigente da casa para ter uma opinião experiente do assunto. As citações que vou fazer são com base no que eu entendi que possam ser as sensações que você está tendo.

Primeiro, no primeiro caso da vela que você foi teve a instrução de seu guia, acho correto. Sempre aprendi a não acender vela em casa por qualquer coisa, principalmente a noite, porém algumas entidades insistem em ensinar o contrário. Eu aprendi que não se deve fazer pois a vela é um portal e se você não tiver firmeza e concentração suficiente para oferece-lá (jamais se oferece à parentes e conhecidos falecidos em casa) mas oferece-la para o guia ou Orixá que seja, a conexão não se completa e você acaba deixando um portal aberto para qualquer coisa ir e vir e isso é perigoso. Na primeira parte do seu relato, você já não estava se sentindo muito bem no terreiro, chegou em casa (provavelmente tarde) e acendeu uma vela, isso pode ter atraído certas energias indesejadas. Pode também que sua casa precise de limpeza e defumação, como você disse que vai fazer né, só cuide na combinação das ervas para equilibra-las.

Essa segunda parte do misto de sonho e realidade, me parece projeção astral de certa forma, você já ouviu falar? Ficar consciente durante uma projeção é bom e ruim. Você precisa de instrução, treinamento e acompanhamento de seus guias ou amparadores para lhe acompanharem e conduzirem nessas viagens, para que sejam bem aproveitadas. O ver e ouvir, só caso essas faculdades mediúnicas tenham uma certa abertura em você, do contrário fique tranquila. Você com certeza é médium e provavelmente de incorporação, por isso anda sentindo tanta coisa fisicamente, se isso estiver certo o melhor é desenvolver a mediunidade, pois assim como no exemplo da vela, se isso está aflorado em você é como um portal também, que quando não firmado serve de porta para o ir e vir de qualquer coisa, até coisas indesejadas.

Espero ter auxiliado de alguma forma sua questão, Axé!
respondida por (3.8k pontos)
selecionada por
Obrigada pela resposta FC!

Sobre o que escreveu "o melhor é desenvolver a mediunidade, pois assim como no exemplo da vela, se isso está aflorado em você é como um portal também, que quando não firmado serve de porta para o ir e vir de qualquer coisa, até coisas indesejadas."
Tenho forte intuição com relação a isso. Me parece que ao ir no terreiro, abrir alguns canais e não trabalhar isso de forma orientada, faz como que este caminho permaneça aberto em mim mesmo depois das giras, ao chegar em casa inclusive. Sinto isso. Continuo sentindo as energias  agindo, mas nesse momento fico aflita, pois não me sinto mais segura e protegida e sim, vulnerável.
Normalmente após a consulta no terreiro, as entidades tiram a vibração de mim. Mas ainda fica um pouco.
Sempre fui muito intuitiva, sensibilizada e me veem na cabeça as vezes, flashs de imagens, por exemplo, estes dias estava no mercado na sessão de bebidas e me veio a imagem de uma garrafa de cerveja estourando. Não levou 2 min e isso realmente aconteceu, o rapaz estourou uma garrafa de cerveja na minha frente. Este tipo de coisa sempre aconteceu comigo. Mas vibrações e sensações físicas, nunca. Por isso as vezes tenho medo.
Fico feliz em saber que não ouvirei e nem verei nenhum espírito rsrsrsr posso sentir, vibrar e tals, mas ver já seria demais pro meu coraçãozinho.
Faz uns 3 dias que durante a noite, fica soando na minha cabeça o ponto da Maria Padilha... de uma forma que não para, meio fixa, qdo acordo pra tomar água de noite essa musica esta ecoando na minha cabeça... engraçado que de dia não!

.Obrigada pela resposta, até agora estava sozinha nessa :-)

Bjs
...